EMENDAS PROPOSTAS DE 2017 - EMENDAS DE 1 A 31 - PARTE 4


Emenda #22

A Emenda #22 propõe a mesma alteração que a Emenda #17 e a Emenda #21.
Porem na Emenda #22 a adequação é ne seção de despesas e não na seção de receitas como nas emendas acima.

Emenda #23

R&R Concurso de Miss Filha de Jó Internacional

Incluir Item

Artigo V - Elegibilidade

Seção 3. Betheis sob Supremo

Onde há apenas um Bethel no estado, província, território, região ou país:

(A) O Bethel terá o direito de enviar uma (1) filha para competir no concurdo de MIFDJ.
(B) O Bethel deve estabelecer regras e regulamentos para selecionar uma filha para representá-los no concurso internacional.
(C) O Bethel pode apresentar uma jóia da Past Miss Filha de Jó (como mostrado no catálogo oficial) desde que tenha completado os requisitos necessários.
(D) O Bethel deve garantir que nenhuma filha que seja elegível para participar no Miss International tenha sido selecionada mais de doze (12) meses antes do concurso de Miss International

Razão para mudança:

Quando Bethel #1 de Anchorage, Alasca, tinha uma filha que desejava entrar no concurso, não havia diretrizes claras, porque Bethel #1 é o único Bethel na área. Esta adição aos Estatutos orientará os conselhos de Bethel para ajudar filhas qualificadas na preparação do concurso de Miss.

Emenda #24

R&R Supremo Bethel – Artigo VIII – Sorteio

Atualmente

(a) O sorteio para o Supremo Bethel pode ser realizado manualmente.

Alteração

(a)O sorteio para o Supremo Bethel pode ser realizado manualmente. O sorteio das Representantes do Supremo Bethel e oficiais instaladoras deverão ser feitos eletronicamente.

Razão para mudança:

Para reduzir o tempo da reunião do Supremo Bethel, gostaríamos de ter os representantes do Supremo Bethel e as oficiais instaladoras selecionadas através de um programa automatizado que acelerará o tempo de sorteio e o programa removerá automaticamente as jurisdições que deixaram de ter filhas elegíveis.

Emenda #25

R&R Supremo Bethel – Artigo VIII – Sorteio

Atualmente

(a) O sorteio para o Supremo Bethel pode ser realizado manualmente.

Alteração

(a) O sorteio para o Supremo Bethel pode ser realizado manualmente pelo manual de sorteio dos Oficiais do Supremo Bethel.

Razão para mudança:

Se o sorteio eletrônico passar a ser usado para representantes e oficiais instaladoras do Supremo Bethel precisamos esclarecer como será o processo do sorteio eletrônico.

Emenda #26

R&R Supremo Bethel – Artigo VIII – Sorteio

Incluir Item

(g) Para o sorteio eletrônico dos Representantes e as oficiais instaladoras do Supremo Bethel:

(1) O programa de banco de dados eletrônico contém a situação de todas as Representantes do Supremo Bethel e das oficiais instaladoras.
(2) O banco de dados eletrônico é preenchido no registro do Supremo Bethel.
(3) A base de dados deve ser programada para seleção aleatória de Filhas das jurisdições elegíveis de acordo com as regras do Supremo Bethel.

Razão para mudança:
Se o sorteio eletrônico passar a ser usado para representantes e oficiais instaladoras do Supremo Bethel precisamos esclarecer como será o processo do sorteio eletrônico.

Emenda #27

R&R Supremo Bethel – Artigo VIII – Sorteio

Atualmente

O disco de jurisdição da Filha sorteada (e que tenha aceito) deverá ser removido do Recipiente número 2 e deverá ser colocado no Recipiente número 4 para sorteios futuros.

Alteração

O disco de jurisdição da Filha sorteada (e que tenha aceito) deverá ser removido do Recipiente número 2 e deverá ser colocado no Recipiente número 4 para futuros sorteios de oficiais .

Razão para mudança:
Se o sorteio eletrônico passar a ser usado para representantes e oficiais instaladoras do Supremo Bethel precisamos esclarecer como será o processo do sorteio eletrônico.

Emenda #28

R&R Supremo Bethel – Artigo VIII – Sorteio

Atualmente

O Sorteio para os demais Cargos do Supremo Bethel deve se realizar como segue:

(1) A HRSB anunciará o cargo a ser preenchido. A sequência deve ser Primeira Princesa, Segunda Princesa, Guia, Dirigente de Cerimônias, Oficiais de Solo, Representantes, Musicista Instaladora e Oficiais Instaladoras.
(2) A HRSB selecionará um disco de Jurisdição do Recipiente número 2.
(3) O Comitê do SB selecionará todos os cartões qualificados para o cargo anunciado da Jurisdição selecionada no Recipiente número 1. Estes cartões serão colocados no Recipiente número 3. Se não existir Filhas qualificadas desta Jurisdição para este cargo, o disco de Jurisdição retornará ao Recipiente número 2, depois um segundo disco de Jurisdição é selecionado e os cartões qualificados colocados no recipiente número 1.
(4) A HRSB selecionará um cartão do Recipiente número 3 e anunciará o nome.
(5) A Filha selecionada informará sua aceitação ou declínio do cargo. Se declinar, outra Filha da Jurisdição selecionada será selecionada. Os cartões restantes retornarão ao Recipiente número 1. O disco de Jurisdição que foi utilizado será colocado no Recipiente número 4 para futuros sorteios.
(6) O Comitê do SB colocará a etiqueta do cargo anunciado no verso do cartão da Filha que aceitou. O cartão etiquetado será passado para a mesa de verificação na qual cada Filha selecionada é verificada e incluída na lista do Programa de Instalação.
(7) Quando não houver mais cartões para uma determinada Jurisdição, seu disco Jurisdicional é removido do Recipiente número 2. Quando o recipiente número 2 estiver vazio e ainda houver cargos a serem preenchidos, os discos de Jurisdições do Recipiente número 4 (Jurisdições previamente selecionadas) retornarão ao Recipiente número 2 e o processo continuará.
(8) Se uma Filha declina de um cargo, seu cartão é removido dos sorteios subsequentes, exceto para Oficiais Instaladoras.
(9) Nenhuma Filha deve ser a Representante do SB para sua própria Jurisdição. Se o disco de Jurisdição sorteado fôr o mesmo da próxima Jurisdição a ser designada, o primeiro disco de Jurisdição selecionado será reservado para a próxima Representante de Jurisdição a ser selecionada. Um segundo disco de Jurisdição deve ser sorteado para a Representante de Jurisdição original. Quando faltar apenas duas (2) Jurisdições para terem uma Representante designada, a HRSB sorteará dois (2) discos de Jurisdição do Recipiente número 2 e assegurará que nenhuma Filha seja solicitada a ser Representante de sua própria Jurisdição.
(10) O Comitê do SB assegurará que uma musicista qualificada esteja disponível para a Instalação do Supremo Bethel, no caso de não haver uma Filha Musicista qualificada disponível para servir como Musicista Instaladora. Se nenhuma Filha, não selecionada previamente, tiver se registrado como Musicista Instaladora, à outra Filha registrada para um cargo de Oficial Instaladora será dada a honra de ser selecionada Musicista Instaladora.

Alteração

( c ) O Sorteio para os demais Cargos do Supremo Bethel deve se realizar como segue:

(1) A HRSB anunciará o cargo a ser preenchido. A sequência deve ser Primeira Princesa, Segunda Princesa, Guia, Dirigente de Cerimônias, Oficiais de Solo, Representantes, Musicista Instaladora e Oficiais Instaladoras.
(2) A HRSB selecionará um disco de Jurisdição do Recipiente número 2 e anuncie a Jurisdição.
(3) O Comitê do SB selecionará todos os cartões qualificados para o cargo anunciado da Jurisdição selecionada no Recipiente número 1. Estes cartões serão colocados no Recipiente número 3. Se não existir Filhas qualificadas desta Jurisdição para este cargo, o disco de Jurisdição retornará ao Recipiente número 2, depois um segundo disco de Jurisdição é selecionado e os cartões qualificados colocados no recipiente número 1.
(4) A HRSB selecionará um cartão do Recipiente número 3 e anunciará o nome.
(5) A Filha selecionada informará sua aceitação ou declínio do cargo. Se declinar, outra Filha da Jurisdição selecionada será selecionada. Os cartões restantes retornarão ao Recipiente número 1. O disco de Jurisdição que foi utilizado será colocado no Recipiente número 4 para futuros sorteios.
(6) O Comitê do SB colocará a etiqueta do cargo anunciado no verso do cartão da Filha que aceitou. O cartão etiquetado será passado para a mesa de verificação na qual cada Filha selecionada é verificada e incluída na lista do Programa de Instalação.
(7) Quando não houver mais cartões para uma determinada Jurisdição, seu disco Jurisdicional é removido do Recipiente número 2. Quando o recipiente número 2 estiver vazio e ainda houver cargos a serem preenchidos, os discos de Jurisdições do Recipiente número 4 (Jurisdições previamente selecionadas) retornarão ao Recipiente número 2 e o processo continuará.
(8) Se uma Filha declina de um cargo, seu cartão é removido dos sorteios subsequentes mas permanece no sorteio para Oficiais Instaladoras.

d) O sorteio para os Representantes e Oficiais instaladoras do Supremo Bethel deve proceder da seguinte forma:

1) A HRSB anunciará os representantes dos bethéis e as oficiais instaladoras.
2) O programa de banco de dados selecionará uma Jurisdição e o HRSB anunciará.
3) O programa de banco de dados sorteará aleatoriamente apenas as Filhas elegíveis para o cargo.
4) O HRSB anunciará o nome da Filha selecionada.
5) A filha selecionada declarará sua aceitação ou declínio do cargo. Se for recusado, o banco de dados selecionará outra filha da mesma jurisdição.
6) O Comitê Supremo de Bethel deve colocar a etiqueta para o cargo anunciado no verso do cartão da filha que aceitou. O cartão etiquetado deve passar pela tabela de verificação onde cada Filha selecionada é verificada e incluida na lista do Programa de Instalação
7) O programa de banco de dados deve remover uma Jurisdição quando não houver mais Filhas elegíveis. Quando todas as jurisdições estiverem esgotadas, o banco de dados recarregará todas as jurisdições e Filhas elegíveis.
8) Se uma Filha declinar de um cargo, ela deve ser romovida do sorteio mas continua a ser elegível para o sorteio das oficiais instaladoras se desejar.
9) O banco de dados não permitirá que uma filha seja selecionada para representar sua própria jurisdição.
10) O Comitê SB assegurará que uma musicista qualificada esteja disponível para a instalação do Supremo Bethel. No caso de uma musicista qualificada não estar disponível para servir como musicista Instaladora, se não houver uma filha previamente selecionada como musicista instaladora uma outra filha que apta a ser oficial instaladora poderá ocupar o cargo.

Razão para mudança:
Se o sorteio eletrônico passar a ser usado para representantes e oficiais instaladoras do Supremo Bethel precisamos esclarecer como será o processo do sorteio eletrônico para representantes e oficiais instaladoras.


EMENDAS PROPOSTAS DE 2017 - EMENDAS DE 1 A 31 - PARTE 3


Emenda #15

POP CGJ 9

Atualmente

Seção 1. (a) Este CGJ opera sob a autoridade de uma carta constitutiva outorgada pelo SCG, datada de ___________________. A jurisdição deste CGJ deve estar limitada ao Estado/Província/Território/Região/País de ________________________________.

Alteração

Seção 1. (a) Este CGJ opera sob a autoridade de uma carta constitutiva outorgada pelo SCG, datada de ___________________. A jurisdição deste CGJ deve estar limitada ao Estado/Província/Território/Região/País de ________________________________. E poder anexar toda ou parte como adjacente um Estado/ Província / Território / Região / País para acomodar Bethels subordinados ao Supremo.


Emenda #16

Estatuto do Bethel - Artigo II - Seção 3

Atualmente

O Bethel para o qual o membro apresentou seu recibo de taxas, deve entrar em contato com o Bethel de origem para verificação.

Alteração

Após a apresentação do Formulário 131d, pedido de dupla filiação, um cartão de taxas atual e após a aprovação dos membros do Conselho Executivo do Bethel, a filha pode ser admitida no Bethel como um membro com dupla filiação.

Razão para mudança:
Para fazer uso do Formulário 131d e ter um documento oficial no arquivo para acompanhar o
membro e ter certeza de que, embora a filha tenha um cartão de taxa atual, ela pode ter sido suspensa ou estar sofrendo ação disciplinar e também ter o consentimento dos pais que ela está se juntando a outro bethel.

Emenda #17

POP 2 – Bethel


Atualmente


Seção 1. Receitas

(a) Todas as quantias auferidas em nome do Bethel devem ser recebidas pela Secretária do Bethel/Guardiã Secretária e repassadas para a Tesoureira do Bethel/Guardiã Tesoureira.

(b) Taxas: (Vide POP-SCG-11)

(2) A taxa de iniciação para cada membro quando ela entra na Ordem é:

(a) Para Bethéis subordinados ao Supremo, dez (10.00) USD, CAD, AUD, PHP, BRL,...etc e deve sofrer correção de dois por cento (2%) ao ano a contar de 01 de Janeiro de 2004.
(b) Para Bethéis subordinados a um GCG, quatro (4.00) USD, CAD, AUD, PHP, BRL,... etc., e deve sofrer correção de dois por cento (2%) ao ano a contar de 01 de Janeiro de 2004.
(c) Se a candidata for reprovada a taxa deve ser devolvida.

(3) A taxa de filiação deve ser metade (1/2) da taxa de iniciação.

(c) Taxas Anuais: (Vide E-GCG Art. XVII Seç. 1.22)

(1) A taxa anual para cada membro incluso no relatório, por Bethéis com Carta Constitutiva, em 31 de Dezembro é de dez vírgula doze (10,12) USD, CAD, AUD, PHP, BRL,... etc., iniciando em 31 de dezembro de 2007 e deve sofrer correção de dois por cento (2%) anualmente. As taxas devem ser pagas, antecipadamente, em 1º de Janeiro de cada ano.
(2) Membros cujas taxas não tenham sido pagas por um período de um (1) ano devem ser considerados inadimplentes.

Alteração

Seção 1. Receitas

(a) Todas as quantias auferidas em nome do Bethel devem ser recebidas pela Secretária do Bethel/Guardiã Secretária e repassadas para a Tesoureira do Bethel/Guardiã Tesoureira.

(b) Os fundos transferidos eletronicamente de uma conta do Bethel devem ser incluídos no formulário 150 (Recibos, contas,...) e formulário 151 (Relatório da tesoureira do Bethel). A documentação da transação deve ser incluída com os recibos. Além disso, devem ser analisadas em reuniões do Conselho Guardião do Bethel as transferências aprovadas pelos membros executivos do CGB.

(c) Taxas: (Vide POP-SCG-11)

(2) A taxa de iniciação para cada membro quando ela entra na Ordem é:

(a) Para Bethéis subordinados ao Supremo, dez (10.00) USD, CAD, AUD, PHP, BRL,...etc e deve sofrer correção de dois por cento (2%) ao ano a contar de 01 de Janeiro de 2004.
(b) Para Bethéis subordinados a um GCG, quatro (4.00) USD, CAD, AUD, PHP, BRL,... etc., e deve sofrer correção de dois por cento (2%) ao ano a contar de 01 de Janeiro de 2004.
(c) Se a candidata for reprovada a taxa deve ser devolvida.

(3) A taxa de filiação deve ser metade (1/2) da taxa de iniciação.

(d) Taxas Anuais: (Vide E-GCG Art. XVII Seç. 1.22)

(1) A taxa anual para cada membro incluso no relatório, por Bethéis com Carta Constitutiva, em 31 de Dezembro é de dez vírgula doze (10,12) USD, CAD, AUD, PHP, BRL,... etc., iniciando em 31 de dezembro de 2007 e deve sofrer correção de dois por cento (2%) anualmente. As taxas devem ser pagas, antecipadamente, em 1º de Janeiro de cada ano.
(2) Membros cujas taxas não tenham sido pagas por um período de um (1) ano devem ser considerados inadimplentes.

Razão para mudança:Proporcionar um processo aprovado para transferências eletrônicas de dinheiro entre instituições bancárias on-line e as contas do Bethel.

Emenda #18

POP Bethel 6

Atualmente

O que se segue deve ser usado para Escolta, Apresentações e Honrarias, Categoria 20, Outros (Ritual página 53)

Se a Honorável Rainha e os Membros Executivos do CGB desejarem apresentar quaisquer pessoas adicionais na categoria 20, a seguinte ordem deve ser utilizada para os presentes:

Past Supremas Guardiãs/Past Supremos Guardiões Associados
Supremos Oficiais
Past Grande Guardãs/Past Grande Guardiões Associados
Past Guardiãs Jurisdicionais/Past Guardiões Jurisdicionais Associados
Grandes Oficiais
Oficiais Jurisdicionais
Guardiãs de Bethel/Guadiões Associados de Bethel
Past Guardiãs de Bethel/Past Guadiões Associados de Bethel
Membros do Conselho
Grão Mestre Deputado Distrital (ou equivalente)
Supremos ou Grandes Oficiais
Presidentes de outras Organizações da Família Maçônica
Oficiais Presidentes de outras Organizações da Família Maçônica
Quaisquer outros, por determinação da Honorável Rainha e dos Membros Executivos do CGB (Vide páginas 49 e 53 do Ritual para as Honrarias apropriadas)


Alteração

O que se segue deve ser usado para Escolta, Apresentações e Honrarias, Categoria 20, Outros (Ritual página 53)

Se a Honorável Rainha e os Membros Executivos do CGB desejarem apresentar quaisquer pessoas adicionais na categoria 20, a seguinte ordem deve ser utilizada para os presentes:

Filhas com outras honras jurisdicionaisPast Supremas Guardiãs/Past Supremos Guardiões Associados
Supremos Oficiais
Past Grande Guardãs/Past Grande Guardiões Associados
Past Guardiãs Jurisdicionais/Past Guardiões Jurisdicionais Associados
Grandes Oficiais
Oficiais Jurisdicionais
Guardiãs de Bethel/Guadiões Associados de Bethel
Past Guardiãs de Bethel/Past Guadiões Associados de Bethel
Membros do Conselho
Grão Mestre Deputado Distrital (ou equivalente)
Supremos ou Grandes Oficiais
Presidentes de outras Organizações da Família Maçônica
Oficiais Presidentes de outras Organizações da Família Maçônica
Quaisquer outros, por determinação da Honorável Rainha e dos Membros Executivos do CGB (Vide páginas 49 e 53 do Ritual para as Honrarias apropriadas)

Razão para mudança:
Com a revisão do Ritual, colocando o foco nas Filhas primeiro. A categoria 20 não menciona outras Filhas com Honras Jurisdicionais, como a Junior Miss e etc. A alteração fornece uma Jurisdição a opção de reconhecer essas Filhas no início da Categoria 20.

Emenda #19

POP Bethel 04

Atualmente
(a) A eleição de oficiais deve acontecer na segunda reunião dos meses de maio e novembro. Bethéis subordinados ao Supremo Conselho e Grande Conselho podem realizar eleições em outro período por emenda ao seu Estatuto. (Vide E-GCG Art. XVII Seç. 1.18)
(b) A eleição pode ser por votação sem indicação ou candidatas que aspirem a um posto eletivo podem ser solicitadas a se levantarem e dizerem seus nomes. Vence a maioria dos votos.
(c) Os métodos de votação serão: (1) Voto secreto, ou (2) Viva voz
(d) Cada GCG deve determinar o método a ser utilizado em sua jurisdição e esse deve ser o único método adotado na jurisdição.
(e) Os Bethéis subordinados ao Supremo devem usar o método especificado em seus Estatutos de Bethel.
(f) Procedimentos detalhados a serem seguidos na condução da eleição devem ser determinados pelos membros Executivos do CGB.
(g) Só poderão ser eleitos membros que estiverem presentes, exceto em caso de doença ou ausência inevitável. Os membros Executivos do CGB devem decidir e anunciar a elegibilidade do membro ausente.
(h) Todos os membros possuem o direito de votar até o final da gestão, mesmo que completem vinte (20) anos antes da eleição seguinte. (i) Vide POP-Bethel-18 para obter informações sobre Dispensas Especiais.
(i) Veja o POP Bethel 18 para informações sobre dispensas especiais

Alteração

(a) A eleição de oficiais deve acontecer na segunda reunião dos meses de maio e novembro. Bethéis subordinados ao Supremo Conselho e Grande Conselho podem realizar eleições em outro período por emenda ao seu Estatuto. (Vide E-GCG Art. XVII Seç. 1.18)
(b) Uma filha que fizer campanha para um cargo eletivo deve ser desqualificada de ser candidata nessa eleição por ação dos membros executivos do conselho guardião.
(c) Uma filha que solicita votos para uma filha que aspira a um cargo eletivo deve sofrer sanção disciplinar pela ação pelos membros executivos do conselho do Bethel.
(d) A eleição pode ser feita por cédula sem nomeação ou os candidatos que aspiram um cargo eletivo devem ser convidados a se levantar e indicar seu nome. O voto da maioria elegerá.
(e) O método de votação deve ser:
(1) Voto secreto, ou
(2) viva voz
(f) Cada GCG deve determinar o método a ser utilizado em sua jurisdição e esse deve ser o único método adotado na jurisdição.
(g) Os Bethéis subordinados ao Supremo devem usar o método especificado em seus Estatutos de Bethel.
(h) Procedimentos detalhados a serem seguidos na condução da eleição devem ser determinados pelos membros Executivos do CGB.
(i) Só poderão ser eleitos membros que estiverem presentes, exceto em caso de doença ou ausência inevitável. Os membros Executivos do CGB devem decidir e anunciar a elegibilidade do membro ausente.
(j) Todos os membros possuem o direito de votar até o final da gestão, mesmo que completem vinte (20) anos antes da eleição seguinte. (i) Vide POP-Bethel-18 para obter informações sobre Dispensas Especiais.
(k) Veja o POP Bethel – 18 para informações sobre dispensas especiais

Razão para mudança:
Proporcionar uma oportunidade justa e imparcial para todos os potenciais candidatos.

Emenda #20

POP Bethel 11

Atualmente

As cordas devem ser alinhavadas ao longo da parte inferior da costura da pala até três (3) polegadas de cada lado do centro frontal (medido na curva da pala), cruzadas no centro frontal três (3) vezes, passadas então uma vez ao redor da cintura e amarradas no centro frontal com um nó quadrado a uma (1) polegada abaixo da linha natural da cintura. A costura do ombro da pala pode ser presa à roupa de baixo se desejado.

Alteração

As cordas devem ser alinhavadas ao longo da parte inferior da costura da pala até duas (2) polegadas de cada lado do centro frontal (medido na curva da pala), cruzadas no centro frontal três (3) vezes, passadas então uma vez ao redor da cintura e amarradas no centro frontal com um nó quadrado a uma (1) polegada abaixo da linha natural da cintura. A costura do ombro da pala pode ser presa à roupa de baixo se desejado.

Razão para mudança:
A folga de 6 polegadas nas vestes faz com que o Robe fique de maneira desleixada em nossos membros menores. A folga de 4 polegadas deixará o robe com uma aparência melhor enquanto o estão usando.

Emenda #21

A Emenda #21 propõe a mesma alteração que a Emenda #17

EMENDAS PROPOSTAS DE 2017 - EMENDAS DE 1 A 31 - PARTE 2



Emenda #8

POP SCG 8

Atualmente

Seção 1. Eleição de Oficiais Eletivos (C-SCG Art. V Seç 1 (a))

(a) Carta de Intenção

1) Aqueles que desejarem formalizar uma “Carta de Intenção” para aspirar ao cargo de Suprema Dirigente de Cerimônias ou Supremo Guarda Externo podem enviar uma carta ao(à) Gerente Executivo(a) até 15 de junho.
2) A “Carta de Intenção” deve ser limitada a um máximo de quinhentas (500) palavras e deve ressaltar as competências e habilidades das partes interessadas, indicando uma razão pela qual ele / ela gostaria de ser eleito (a) como um oficial do Supremo Conselho Guardião. Esta será a única oportunidade que o(a) candidato(a) terá para passar esta informação ao corpo.
3) Aqueles que escolherem não formalizar uma “Carta de Intenção”, ou que perderem o prazo, devem permanecer elegíveis para aspirar ao cargo no dia da eleição.
4) Quaisquer “Carta de Intenção” recebidas no prazo devem ser impressas alfabeticamente pelo último nome da parte interessada e distribuída aos Delegados Votantes na Sessão Anual do SCG.

Alteração

Seção 1. Eleição de Oficiais Eletivos (C-SCG Art. V Seç 1 (a))

(a) Carta de Intenção

1) Candidatos que desejarem aspirar os cargos de Suprema Dirigente de Cerimônias ou Supremo Guarda Externo devem enviar uma carta ao(à) Gerente Executivo(a) até 15 de junho.
2) A “Carta de Intenção” deve ser limitada a um máximo de quinhentas (500) palavras e deve ressaltar as competências e habilidades das partes interessadas, indicando uma razão pela qual ele / ela gostaria de ser eleito (a) como um oficial do Supremo Conselho Guardião. Esta será a única oportunidade que o(a) candidato(a) terá para passar esta informação ao corpo.
3) Aqueles que escolherem não formalizar uma “Carta de Intenção”, ou que perderem o prazo, devem permanecer elegíveis para aspirar ao cargo no dia da eleição.
4) Quaisquer “Carta de Intenção” recebidas no prazo devem ser impressas alfabeticamente pelo último nome da parte interessada e distribuída aos Delegados Votantes na Sessão Anual do SCG.

Razões para a mudança:
Qualquer um que deseje aspirar aos cargos de Suprema Dirigente de Cerimônias ou Supremo Guarda Externo deve enviar uma carta de intenção até 15 de junho. Está é uma decisão qe deve ser tomada após muito se pensar, uma vez que leva em consideração que se trata de quatro anos de trabalho duro e intenso de dedicação aos seus cargos. E se uma pessoa não pode se ater a um prazo para uma inscrição para se eleger, a capacidade para se cumprir os demais prazos torna-se provavelmente suspeita. O SCG deve saber mais sobre uma pessoa do que o nome e qual a jurisdição a qual pertencem, para que líderes competentes sejam eleitos.

Emenda #9

POP SCG 8

Atualmente 

Seção 2. Eleição de Novos Membros do Conselho de Curadores (Vide E-SCG Art. VI Seç. 1 (b)) (a) Candidatos que aspirem ao Conselho de Curadores devem ser solicitados a se levantar e informar seus nomes e jurisdições.

1) Aqueles que desejarem formalizar uma “Carta de Intenção” para aspirar ao Conselho de Curadores pode enviar uma carta para o(a) Gerente Executivo(a) até 15 de junho.
2) A “Carta de Intenção” deve ser limitada a um máximo de quinhentas (500) palavras e deve ressaltar as competências e habilidades das partes interessadas, indicando uma razão pela qual ele / ela gostaria de ser eleito(a) como um membro do Conselho de Curadores. Esta será a única oportunidade que o(a) candidato(a) terá para passar esta informação ao corpo.
3) Aqueles que escolherem não formalizar uma “Carta de Intenção”, ou que perderem o prazo, permanecerão elegíveis para aspirar ao cargo no dia da eleição.
4) Quaisquer “Carta de Intenção” recebidas no prazo devem ser impressas alfabeticamente pelo último nome da parte interessada e distribuída aos Delegados Votantes na Sessão Anual do SCG.

Alteração

Seção 2. Eleição de Novos Membros do Conselho de Curadores (Vide E-SCG Art. VI Seç. 1 (b)) (a) Candidatos que aspirem ao Conselho de Curadores devem ser solicitados a se levantar e informar seus nomes e jurisdições.

1) Os candidatos que desejarem aspirar aos cargos do Conselho de Curadores devem enviar uma carta para o(a) Gerente Executivo(a) até 15 de junho.
2) A “Carta de Intenção” deve ser limitada a um máximo de quinhentas (500) palavras e deve ressaltar as competências e habilidades das partes interessadas, indicando uma razão pela qual ele / ela gostaria de ser eleito(a) como um membro do Conselho de Curadores. Esta será a única oportunidade que o(a) candidato(a) terá para passar esta informação ao corpo.
3) Aqueles que escolherem não formalizar uma “Carta de Intenção”, ou que perderem o prazo, permanecerão elegíveis para aspirar ao cargo no dia da eleição.
4) Quaisquer “Carta de Intenção” recebidas no prazo devem ser impressas alfabeticamente pelo último nome da parte interessada e distribuída aos Delegados Votantes na Sessão Anual do SCG.

Razões para a mudança:

Como na emenda para as Cartas de Intenção para os oficiais de linha, o mesmo raciocínio se aplica a um membro do Conselho de curadores. Ser membro do Conselho não é uma "caminhada fácil" e requer um trabalho muito intenso, disciplina e criatividade para manter esta Ordem que todos amamos em excelentes condições de trabalho. Isso inclui muitas áreas em que existem ligação entre os membros do conselho e um comite. Por isso a decisão de fazer os interessados a concorrer aos cargos no conselho de curadores deve enviar uma carta de intenção de 500 palavras para o SCG.

Emenda #10

Constituição de um Grande Conselho Guardião - Artigo III

Atualmente

Seção 1. (a) Este Grande Conselho Guardião opera sob a autoridade de uma Carta Constitutiva outorgada pelo Supremo Conselho Guardião e datada de _____________. A Jurisdição deste Grande Conselho Guardião deve estar limitada ao Estado/Província/Território/País de _______________________________.

Alteração

Seção 1. (a) Este Grande Conselho Guardião opera sob a autoridade de uma Carta Constitutiva outorgada pelo Supremo Conselho Guardião e datada de _____________. A Jurisdição deste Grande Conselho Guardião deve estar limitada ao Estado/Província/Território/País de _______________________________. E poder anexar toda ou parte como adjacente um Estado/ Província / Território / Região / País para acomodar Bethels subordinados ao Supremo.


Emenda #11

Estatuto GCG - Artigo XVII – Seção 13 

Incluir item

13 - Prescrever instruções adicionais para as reuniões mensais do CGB.

Razões para mudanças:
Permitir que um Grande Conselho Guardião estabeleça assuntos para a realização de reuniões de um CGB, como quórum e confidencialidade dos assuntos discutidos.

Emenda #12

Estatuto GCG - ARTIGO XVII – Seção 22

Atualmente

22- Estabelecer outras instruções pertinentes a Bethel:

(a) Taxas - Iniciação e filiação (Seção 1(b)*)
(b) Taxa Anual (Seção 1(c)*)
(c) Isenção de Taxas (Seção 2*)
(d) Despesas (Seção 3 (a)*)
(e) Fundo Educacional e Promocional (Seção 4*)
(f) Privilégios Especiais – com taxa (POP-Bethel-18) – sem taxa (POP-Bethel-18)
(g) Dispensas (POP-Bethel-18) (*Vide POP-Bethel-2 e POP-Bethel-21 Art.XI)

Alteração

22- Estabelecer outras instruções pertinentes a Bethel:

(a) Taxas - Iniciação e filiação (Seção 1(b)*)
(b) Taxa Anual (Seção 1(c)*)
(c) Isenção de Taxas (Seção 2*)
(d) Despesas (Seção 3 (a)*)
(e) Fundo Educacional e Promocional (Seção 4*)
(f) Privilégios Especiais – com taxa (POP-Bethel-18) – sem taxa (POP-Bethel-18)
(g) Dispensas (POP-Bethel-18) (*Vide POP-Bethel-2 e POP-Bethel-21 Art.XI)
(h) Procedimento eleitoral (*Vide POP-Bethel-4 e POP-Bethel-21 Art.VI)

Razões para mudança:

Para permitir que todos os Bethels dentro de uma jurisdição sigam o mesmo procedimento / instrução para o procedimento eleitoral. Como os escrutinadores relatam os resultados da votação, como administrar as cédulas quando solicitado. O supremo deixa isso para ser definido pelo Conselho Executivo (Vide POP-Bethel-4 (f)), o que poderia resultar em cada Bethel aplicando um procedimento diferente.

Emenda #13

Estatuto GCG - ARTIGO XVII – Seção 28

Incluir item

Atualmente

28 - Estabelecer outros procedimentos para a reorganização de Bethéis (Vide E-Bethel Art. XVI Seç. 1 (e), POP-Bethel- 9, POP-Bethel-18 #7 and POP-Bethel-16)).

Alteração

28 - Estabelecer outros procedimentos para a reorganização de Bethéis (Vide E-Bethel Art. XVI Seç. 1 (e), POP-Bethel- 9, POP-Bethel-18 #7 and POP-Bethel-16)).

(a) Fornecer outras instruções processuais para o fusão, encerramento, instituição ou reinstituição de betheis desde que as orientações do Supremo não sejam alteradas.
(Veja POP-Bethel-7, POP-Bethel-12, POP-Bethel-14 e POP-Bethel-16)


Razões para mudança:

Fornecer instruções de implementação adicionais. Os POP atuais são suficientemente genéricos e os numerosos detalhes envolvidos na fusão, encerramento, instituição e reinstituição de Betheis não são completamente abordados.

Emenda #14

POP-CGB-3

Incluir Item

Atualmente

Seção 1. Membros do CGB

(a) Membros do CGB podem ser destituídos de seus cargos pela Suprema/Grande Guardiã por justa causa, insubordinação, conduta indevida, procedimentos ilícitos ou retenção de qualquer propriedade do Bethel. O comunicado de tal destituição deve ser feito por escrito, citando a causa da destituição e detalhando o processo de apelação. Isto não nega à pessoa destituída o direito de apelação como citado em outros itens das leis. (Vide POPSCG-1).

(b) Membros Executivos do CGB que não tenham pago as multas previstas no Artigo VI, acima, devem perder o direito à associação no GCG.

Alteração

Seção 1. Membros do CGB

(a) Membros do CGB podem ser destituídos de seus cargos pela Suprema/Grande Guardiã por justa causa, insubordinação, conduta indevida, procedimentos ilícitos ou retenção de qualquer propriedade do Bethel. O comunicado de tal destituição deve ser feito por escrito, citando a causa da destituição e detalhando o processo de apelação. Isto não nega à pessoa destituída o direito de apelação como citado em outros itens das leis. (Vide POPSCG-1).

(b) Membros Executivos do CGB que não tenham pago as multas previstas no Artigo VI, acima, devem perder o direito à associação no GCG.

(c) Os membros do CGB podem ser removidos ou sancionados por não terem mantido a confidencialidade de assuntos tratados em uma reunião do CGB.

Razões para mudança:

Para garantir que todos os membros do CGB sejam lembrados da necessidade dA confidencialidade rigorosa dos assuntos discutidos nas reuniões do Conselho.


EMENDAS PROPOSTAS DE 2017 - EMENDAS DE 1 A 31 - PARTE 1



Emenda #1

Estatuto SCG
Artigo 1 Seção 1 Subseção G

Atualmente
Prescrever, com o voto de dois terços (2/3) dos membros presentes e votantes na Sessão Anual do SCG designada para tal, um Ritual e um Ritual Musical para abertura e encerramento de Bethéis, conferência das épocas e outras cerimônias, cujos direitos autorais devem estar em nome do SCG, permanecendo todos como propriedade do SCG. A próxima adoção de um Ritual e um Ritual Musical revisados terá lugar na Sessão Anual de 2011 e a cada quinze (15) anos a partir de então. Propostas de adições, subtrações ou mudanças no Ritual devem ser submetidas ao Comitê de Revisão (E-SCG, Art. XI, Seç. 7).

Alteração
Prescrever, com o voto de dois terços (2/3) dos membros presentes e votantes na Sessão Anual do SCG designada para tal, um Ritual e um Ritual Musical para abertura e encerramento de Bethéis, conferência das épocas e outras cerimônias, cujos direitos autorais devem estar em nome do SCG, permanecendo todos como propriedade do SCG. A próxima adoção de um Ritual e um Ritual Musical revisados terá lugar na Sessão Anual de 2011 e a cada Dez (10) anos a partir de então. Propostas de adições, subtrações ou mudanças no Ritual devem ser submetidas ao Comitê de Revisão (E-SCG, Art. XI, Seç. 7).

Razão para Mudança

Inicialmente foram definidos 15 anos devido ao alto custo de impressão do Ritual. Isso não é mais um problema e 15 anos é um tempo muito longo entre as mudanças e menos 10 anos seria difícil uma vez que é necessário no mínimo 2 anos para considerar as alterações, adapta-las e publicá-las. 

Emenda #2

Estatuto GCG - ARTIGO XVII

Incluir seção 4.1
Poderão ser adotados POP’s na Jurisdição, desde que não estejam em conflito com as leis do Supremo, para a gestão da Jurisdição incluindo reuniões anuais, relacionamentos com organizações maçônicas, eventos especiais, honrarias e etc. Os Pop’s seriam numerados a partir de 101 (1-100 seriam reservados para o Supremo) para as categorias do Grande Conselho Guardião, Conselho Guardião do Grande Bethel e Grande Bethel.

Razões para a mudança:
Fornecer autorização para jurisdições de Grande conselho criarem POP’s.

Emenda #3

Estatuto GCG - ARTIGO XVII

Incluir Seção 11
Permite que Filhas e certos membros de maioridade possam participar como membros em comitês específicos do GCG desde que estejam de acordo com a Política e Programa de Proteção à Juventude (YPP) ao atingirem a idade de 20 anos, mesmo enquanto membros.

Razões para a mudança:
Vários Comitês oferecem oportunidades para a entrada das filhas, porém a lei atual proíbe a entrade de filhas e os membros de maioridade que não possuam os requisitos do CGB. Comitês em reforma incluindo de miss, grande bethel e espiritos embaixadores são um começo. Uma ideia seria de chama-las como “Filhas conselheiras” ou algo similiar. Esta abordagem garantiria uma oportunidade para aprender o funcionamento e atividades em um nível mais alto, bem como seus resultados. Um GCG tem a responsabilidade de determinar para quais Comitês seriam adequados para os membros contribuírem, assim como quaisquer detalhes sobre quem se qualifica e o número de Filhas conforme a lei do GCG.

Emenda #4

Estatuto SCG  - Artigo X – Seção 2

Atualmente

Seção 2. Comitê de Bolsas Educacionais
(a) O comitê deve ser composto de três (3) membros. A cada Sessão Anual, um novo membro deve ser nomeado para uma gestão de três (3) anos.
(b) Os deveres deste comitê estão definidos abaixo, nos Art. XIV e XV abaixo.
(c) O(A) Presidente deve manter um arquivo permanente, que deve ser repassado ao/à seu/sua sucessor(a).

Alteração
Deletar item

Razões para a mudança: 
Este comitê e funções serão colocados em “Outros Comitês” ao invés de em “Comitês Permanentes”. Isso abre a elegibilidade de muitas outras pessoas que podem servir neste comitê.

Emenda #5

Estatuto SCG  Artigo XI – Nova Seção

Incluir Seção

Seção 12. Comitê de Bolsas Educacionais
(a) O comitê deve ser composto de três (3) membros. A cada Sessão Anual, um novo membro deve ser nomeado para uma gestão de três (3) anos.

(b) Os deveres deste comitê estão definidos abaixo, nos Art. XIV e XV abaixo.

(c) O(A) Presidente deve manter um arquivo permanente, que deve ser repassado ao/à seu/sua sucessor(a).

Razões para a mudança:
Este seção irá mover o Comitê de Bolsas Educacionais de um “Comitê Permanente” para “Outros Comitês” para que as pessoas que não são membros do SGC possam servir nesta comissão. Existem muitas pessoas que não são membros do SCG que podem servir neste comitê.

Emenda #6

Estatuto SCG  - Artigo X – Seção 5

Atualmente

Seção 5. Comitê de Promoção

(a) Os deveres deste Comitê são os seguintes:

(1) Revisar material promocional proposto e existente. Atualizar, descontinuar e produzir novo material, com aprovação da Suprema Guardiã, do Conselho de Curadores e do Comitê de Finanças.
(2) Aceitar todas as investigações e/ou solicitações para promoções novas ou adicionais em qualquer jurisdição subordinada ao Supremo e imediatamente consultar a Suprema Guardiã. 
(3) Iniciar, promover e desenvolver programas que auxiliarão no crescimento do número de membros da Ordem.
(4) Iniciar, promover e desenvolver programas que auxiliarão na retenção dos membros atuais. 
(5) Enviar sugestões de programas promocionais de associação para GCGs, CGJs e Bethéis subordinados ao Supremo, para sua consideração e uso.
(6) Promover para os Bethéis subordinados ao Supremo um programa de incentivo (associação) conforme aprovação da Suprema Guardiã e com despesas aprovadas pelo Comitê de Finanças.

(b) Os deveres da(o) Presidente deste comitê são os seguintes:
(1) Reunir, organizar e delegar tarefas para cada membro deste Comitê antes do encerramento da sessão anual. Os membros ausentes devem ser notificados de seus deveres dentro de duas (2) semanas.
(2) Nomear um membro do Comitê como Vice-Presidente, que assumirá as tarefas de Presidente na sua ausência ou impossibilidade.

Alteração
Deletar item

Razões para a mudança: 
Este item irá excluir o Comité de Promoção dos Comitês Permanentes e tranferi-lo para Outros Comitês. Isto abre a elegibilidade para o comitê, permitindo que aqueles que não são membros do SGC sirvam no mesmo.

Emenda #7

Estatuto SCG  - Artigo XI – Seção 13

Incluir Seção

Seção 13. Comitê de Promoção

(a) Os deveres deste Comitê são os seguintes:

(1) Revisar material promocional proposto e existente. Atualizar, descontinuar e produzir novo material, com aprovação da Suprema Guardiã, do Conselho de Curadores e do Comitê de Finanças.
(2) Aceitar todas as investigações e/ou solicitações para promoções novas ou adicionais em qualquer jurisdição subordinada ao Supremo e imediatamente consultar a Suprema Guardiã. 
(3) Iniciar, promover e desenvolver programas que auxiliarão no crescimento do número de membros da Ordem.
(4) Iniciar, promover e desenvolver programas que auxiliarão na retenção dos membros atuais. 
(5) Enviar sugestões de programas promocionais de associação para GCGs, CGJs e Bethéis subordinados ao Supremo, para sua consideração e uso.
(6) Promover para os Bethéis subordinados ao Supremo um programa de incentivo (associação) conforme aprovação da Suprema Guardiã e com despesas aprovadas pelo Comitê de Finanças.

(b) Os deveres da(o) Presidente deste comitê são os seguintes:

(1) Reunir, organizar e delegar tarefas para cada membro deste Comitê antes do encerramento da sessão anual. Os membros ausentes devem ser notificados de seus deveres dentro de duas (2) semanas.
(2) Nomear um membro do Comitê como Vice-Presidente, que assumirá as tarefas de Presidente na sua ausência ou impossibilidade.

Razões para Mudança:
 Este item irá excluir o Comité de Promoção dos Comitês Permanentes e tranferi-lo para Outros Comitês. Isto abre a elegibilidade para o comitê, permitindo que aqueles que não são membros do SGC sirvam no mesmo.

Estudo da Constituição - Estatuto do Grande Conselho Guardião

ESTATUTO DE UM GRANDE CONSELHO GUARDIÃO
FILHAS DE JÓ INTERNACIONAL



Quais são as penalidades aplicáveis pelo GCG?

Quando autorizado por um GCG, uma Grande Guardiã pode Impor as multas que sejam previstas por Lei; recolher as credenciais emitidas por ela; expulsar um membro do GCG e impor as mesmas penalidades impostas pelos membros Executivos de um CGB.


O GCG também tem fundo educacional e promocional?

Cada GCG deve criar um Fundo Educacional e adotar regras concernentes a empréstimos e/ou bolsas de estudo provenientes deste Fundo. Empréstimos e/ou bolsas de estudo devem ficar a critério do GCG e também deve criar um fundo promocional.


Como é tratada a questão da disciplina no GCG?

Qualquer Oficial do GCG pode ser intimado pelo SCG Executivo para comparecer em hora e local designados dentro de sua jurisdição, perante um Comitê nomeado pela Suprema Guardiã para este propósito, para apresentar as razões pelas quais ela/ele não deveria ser repreendido (a), destituído(a) do cargo, suspenso(a) ou expulso(a) da Ordem por violação das leis da Ordem, ou por conduta não condizente com a de um membro da Ordem. A intimação deve expor especificamente as acusações a que se refere. Na hora e local estabelecidos na intimação, o comitê nomeado para este propósito deve ouvir as evidências oferecidas contra e a favor do acusado, e deve fazer investigações acerca do fato e reportar suas descobertas ao SCG Executivo dentro de trinta (30) dias da data da audiência. Ao receber o relatório do referido comitê, o SCG Executivo deve determinar a culpa ou inocência do acusado. Se as acusações forem sustentadas, o SCG Executivo terá poder para repreender, destituir do cargo, suspender ou expulsar o Oficial do GCG em questão.

Grandes Guardiãs podem ser suspensas por justa causa pela Suprema Guardiã, mas devem ter o direito de apelar ao SCG Executivo.

E a destituição de cargos?

A Grande Guardiã deve ter o poder de destituir do cargo qualquer oficial de CGB por justa causa, insubordinação, má-conduta ou apropriação ilegal ou retenção de qualquer propriedade de um Bethel. A notificação de tal destituição dever ser feita por escrito, especificando a causa da destituição e fornecendo informação completa sobre a Lei de Apelações e Queixas. Isto não nega a qualquer destituído o direito de apelação.
Qualquer oficial, atual ou que já tenha deixado o cargo, ou membro Executivo de um CGB que perca sua regularidade por suspensão ou expulsão, deve automaticamente perder sua regularidade no GCG ou SCG até que seja reintegrado pelo GCG Executivo ou SCG Executivo.

Como funciona a Eleição no GCG?

Oficiais eletivos do GCG devem ser eleitos na Sessão Anual entre membros elegíveis presentes, a não ser que a ausência tenha sido inevitável. A eleição deve ser por votação sem indicação e a maioria de votos dos presentes e votantes deve eleger.
Membros do GCG devem ter direito a um (1) voto cada quando presentes em uma reunião especial ou na Sessão Anual.

E possível votar por procuração?

Nenhum membro pode votar por procuração exceto como segue:

1-      Uma procuração deve ser emitida a um membro Associado de um CGB para o cargo de GB ou de GAB, uma procuração deve ser emitida apenas se o Membro Associado, se mulher, tiver condição ou afiliação Maçônica para elegibilidade para ser nomeada como GB ou, se homem, for um Mestre Maçom, para quaisquer dos demais membros Executivos de um CGB, uma procuração pode ser emitida para qualquer Membro Associado do CGB.

2-      Uma procuração deve se limitar à Sessão Anual em particular para a qual foi emitida e deve estar devidamente certificada pelos membros Executivos do CGB.

3-      Ninguém deve ter procuração para mais de um (1) cargo ou ter direito a mais de um (1) voto.


Como é definida a gestão e a instalação de um CGC?

Todos os oficiais devem ser eleitos ou nomeados para uma gestão de um (1) ano, ou até o término da Sessão Anual seguinte, porém devem continuar a cumprir os deveres de seus cargos até que seus sucessores tenham sido instalados.

Ninguém deve ser instalado no cargo de Grande Guardiã, Grande Guardião Associado, Vice-Grande Guardiã, ViceGrande Guardião Associado se for um membro Executivo de um CGB.

Oficiais nomeados devem ser nomeados pela Grande Guardiã que estiver assumindo na Sessão Anual. Nomeados a trabalhar com as FDJ nos EUA, Canadá e Austrália devem constar na lista atual de AVC’s fornecida pelo(a) Gerente Executivo(a).


Link para download da Constituição - Clique Aqui
Estas informações podem ser encontradas nas páginas: 62 a 64
Ficou alguma dúvida? Faltou alguma coisa que você acredita que precisávamos explicar?
Pergunta pra gente.


Estudo da Constituição - Estatuto do Grande Conselho Guardião

ESTATUTO DE UM GRANDE CONSELHO GUARDIÃO
FILHAS DE JÓ INTERNACIONAL


Quais os deveres e poderes de um Grande Conselho Guardião?

Grandes Conselhos podem adotar um Manual de Regras e Regulamentos e um livro de cerimônias que não devem entrar em conflito com as leis do SCG; podem aprovar a formação de um Grande Bethel. (No caso de um Grande Bethel ser formado por um GCG, Regras e Regulamentos do Grande Bethel devem ser adotadas pelo GCG e ser inclusas no Manual de Regras e Regulamentos.); devem obter seus suprimentos do SCG; podem delegar autoridade às Grandes Guardiãs para aplicar certas penalidades e multas; podem aprovar a formação de uma Associação Alumni a qual não deve entrar em conflito com as leis do SCG.

Quais os deveres de uma Grande Guardiã?

Presidir em todas as reuniões regulares e especiais do GCG e do GCG Executivo; certificar-se de que as leis do SCG e do GCG estão sendo cumpridas; promover o bem estar e crescimento da Ordem; Nomear os membros dos CGBs. (Nomeados a trabalhar com as FDJ nos EUA, Canadá e Austrália devem constar na lista atual de AVC’s fornecida pelo(a) Gerente Executivo); emitir Dispensas e Cartas Constitutivas em nome do GCG; emitir dispensas especiais quando solicitado; reunir qualquer Bethel ou CGB com o propósito de resolver desentendimentos, realizar inspeção ou cobrar obediência às leis e regulamentos da Ordem; nomear tantos comitês quanto necessários para o funcionamento administrativo do GCG; servir como um membro ex offício em todos os Comitês e no Conselho de Curadores, em Grandes Jurisdições onde tal Conselho exista, com o direito de discutir e votar em todas as questões exceto no Comitê de Apelações e Queixas; submeter um relatório escrito na Sessão Anual sobre a condição da organização; nomear Grandes Deputadas(os) e Grandes Guardiões Deputadas(os) quando necessário; submeter um relatório no Formulário 120 na Sessão Anual do SCG sobre o trabalho da jurisdição do GCG, o qual deve estar limitado a atividades em benefício de outros GCGs, CGJs e Bethéis; emitir uma dispensa de jurisdição, com selo, para permitir que uma residente na jurisdição seja iniciada em um Bethel em outra jurisdição; Nomear um(a) oficial de inspeção para instituição, reinstituição e entrega de Carta Constitutiva a um Bethel.
As decisões de uma Grande Guardiã, não contrárias às leis existentes, devem ser efetivas até a Sessão Anual seguinte. Tais decisões não devem se tornar leis a menos que sejam apresentadas em forma de uma emenda e adotadas como previsto nas leis do GCG.

Quais os deveres do Grande Guardião Associado?

Auxiliar a Grande Guardiã no cumprimento de seus deveres; Presidir as reuniões na ausência da Grande Guardiã e da Vice-Grande Guardiã, e em outras ocasiões quando requisitado a fazê-lo; aconselhar a Grande Guardiã em todos os assuntos pertinentes aos seus deveres e atuar como elo de ligação da Ordem nos assuntos relacionados à Fraternidade Maçônica; familiarizar-se profundamente com todas as leis pertinentes à Ordem; servir como um membro ex officio em todos os Comitês e no Conselho de Curadores em Grandes Jurisdições onde tal Conselho exista, com o direito de discutir e votar em todas as questões exceto no Comitê de Apelações e Queixas.

Quais os deveres da Vice Guardiã?

Auxiliar a Grande Guardiã e assumir os deveres da Grande Guardiã durante sua indisponibilidade.

Quais os deveres do Vice Guardião Associado?

Auxiliar o Grande Guardião Associado e assumir os deveres do Grande Guardião Associado durante sua indisponibilidade.

Quais os deveres do (a) Grande Secretário (a)?

Comparecer a todas as reuniões do GCG Executivo e do GCG; manter um registro de todos os procedimentos do GCG; controlar a correspondência e afixar o selo da organização quando necessário; manter uma lista de correspondência de todos os delegados votantes; receber todos os valores devidos ao GCG repassando-os o(a) Grande Tesoureiro(a), obtendo recibo por eles; submeter um relatório por escrito na Sessão Anual; fazer um resumo anual no Formulário 123 dos relatórios dos Bethéis do GCG, mostrando o registro de associação e outras informações como especificado no Formulário 110 ou 111. Uma cópia do Formulário 110 ou 111 de cada Bethel, uma atualização da Lista de Membros fornecida pelo(a) Gerente Executivo(a), junto com uma cópia do Formulário 123, devem ser enviadas o(a) Gerente Executivo(a); Emitir licenças e recibos de taxas para membros de Bethéis cujas Dispensas ou Cartas Constitutivas tenham sido revogadas; Assegurar-se de que a cópia do Manual com as últimas emendas esteja arquivada com o(a) Gerente Executivo(a) e o(a) Presidente do Comitê de Jurisprudência do SCG; Reportar à(o) apropriada(o) Grande Secretária(o) ou Secretária(o) Jurisdicional e à(o) Gerente Executiva(o) os nomes e endereços de todos os novos Membros de Maioridade, Membros de Maioridade que tenham se mudado,Membros e colaboradores adultos que tenham se mudado para fora da jurisdição.

Quais os deveres do (a) Grande Tesoureiro (a)?

Receber todos os valores do (a) Grande Secretário(a) emitindo-lhe um recibo; ter a custódia de todos os fundos e títulos pertencentes ao GCG; pagar importâncias de ordens de pagamento conforme estabelecido pelo GCG.; manter um registro completo de todos as receitas e despesas e apresentar um relatório das mesmas na Sessão Anual.

E a Grande Guia e a Grande Dirigente de Cerimônias?

Devem escoltar todos os distintos visitantes e auxiliar a Grande Guardiã com as tarefas que ela lhes venha a designar.

E o Grande Guarda Interno e o Grande Guarda Externo?
Devem guardar as portas da sala do GCG e executar outras tarefas que lhes venham a ser designadas pela Grande Guardiã e/ou Grande Guardião Associado.

E os demais oficiais?

Devem executar as tarefas que lhes venham a ser designadas pela Grande Guardiã.



Link para download da Constituição - Clique Aqui
Estas informações podem ser encontradas nas páginas: 60 a 62
Ficou alguma dúvida? Faltou alguma coisa que você acredita que precisávamos explicar?
Pergunta pra gente.


FILHAS DE JÓ BRASILEIRAS AGRACIADAS COM O GRAU PURPURA EM 2017


O Grau Purpura Real é concedido em reconhecimento a notáveis e dedicados serviços prestados por um Membro de Maioridade à Ordem Internacional das Filhas de Jó. É seu intuito dar reconhecimento a um Membro de Maioridade que tenha contribuído para a Ordem com capacidade acima e além do que exigem seus deveres: uma notável colaboradora da Ordem.


Esse ano as indicadas que tiveram sua indicação aprovadas pelo Comitê do Grau Purpura Real do Supremo Conselho, Grande Conselho do Estado da Bahia e do Grande Conselho do Estado de Minas Gerais são:


Beatriz Vichiatto, Bethel 06 Três corações, MG.


Débora Paula Eloy, Bethel 01 Boa vista, RR.


Isabella Delmondes, Bethel 14 Salvador, BA


Larissa Nogueira, Bethel 55 Eloi Mendes, MG


Luana Sandes, Bethel 01 Paulo Afonso, BA


Mayane Barbosa de Souza, Bethel 01 Fortaleza,CE.


Natalia Melo, Bethel 08 Campina Grande, PB.


Potira Narjara, Bethel 53 Carmo do Rio Claro, MG.


Caso esteja faltando alguma irmã na lista, por favor nos informar seu nom e Bethel para que possamos acrescentar.








RESPOSTA DA CARTA 8: NOVIDADES X FDJ X CONSELHO GUARDIÃO


"Sempre fui uma filha de Jó ativa, participo do meu Bethel já faz mais de sete anos. E de um tempo para cá venho percebendo atitudes em tios do conselho que me incomodam muito, a última foi quando um tio deu uma bronca em uma menina no meio da sessão, fazendo com que ela se sentisse humilhada e provocando risadas de outras meninas de seu Bethel, sendo que isso não é a primeira vez que acontece, a bronca foi por ela mandar muitas novidades que estão acontecendo em Betheis do seu estado. Várias meninas fizeram coisas bem mais erradas do que ela e não aconteceu nada. Agora a menina não quer mais voltar para o Bethel e quer pedir afastamento por não se sentir bem em um ambiente que era para acolher. A FDJ não gostaria de sair do seu Bethel por amar a Ordem,mas está muito chateada com essa situação. Vocês poderiam ajudar ?"

Amada irmã, é complicado quando um Conselho, que era para ser acolhedor, acaba tomando os pés pelas mãos, e sendo injusto com um membro. Mas acredito que o Conselho deva se sentir acuado com as novidades que a nossa irmãzinha coloca, levando às vezes isso como crítica ao trabalho do Bethel e do Conselho guardião, ou até mesmo sentindo-se comparado, e inferiorizado pelo que acontece em outros Betheis! Sei que a nossa irmã quer divulgar ideias, e motivar o Bethel como um todo, por amar a Ordem. A melhor maneira para resolver é conversar. Expor mesmo para esse tio que não gostou da forma com que ele havia lhe dirigido, falar que estava dando sugestões para motivar as irmãs, e não dando críticas indiretas, caso tenha soado como tal. Que a forma com que ele reagiu havia sido desproporcional e que lhe magoou. Hoje vemos muitas pessoas entrando em conflito por erro na forma de comunicar-se. Falar a verdade, em uma conversa franca, olhando e percebendo que a pessoa está realmente lhe entendendo, é a melhor pedida. 

Beijos, 

Jemima.

Estudo da Constituição - Constituição Grande Conselho Guardião

CONSTITUIÇÃO DE UM GRANDE CONSELHO GUARDIÃO
 FILHAS DE JÓ INTERNACIONAL


Qual o objetivo do Grande Conselho?

O objetivo do Grande Conselho Guardião é ser supremo em sua jurisdição em todos os assuntos pertinentes aos Bethéis, Conselhos Guardiões de Bethéis e seus próprios assuntos, sujeitos às provisões das leis do Supremo Conselho Guardião.

Como é definida a autoridade do GCG?

O Grande Conselho Guardião opera sob a autoridade de uma Carta Constitutiva outorgada pelo Supremo Conselho Guardião e a Jurisdição deste Grande Conselho Guardião deve estar limitada ao seu Estado. O formato para o Manual e emendas subsequentes ao mesmo devem seguir a mesma sequência desta Constituição, Estatuto e Procedimentos Operacionais Padrão de um GCG. Todas as emendas às Regras e Regulamentos e Livro de Cerimônias para um GCG requerem aprovação da Suprema Jurisprudência.

Como é composto um GCG?

Um GCG deve consistir dos oficiais do GCG, Past Guardiãs de Bethel e Past Guardiões Associados de Bethel de Bethéis na Jurisdição, os cinco (5) membros Executivos de CGB com Carta Constitutiva e sob dispensa, e todos os membros do SCG residentes na jurisdição deste GCG que tenham sido eleitos para associação em tal GCG.

Quais são os membros eletivos do GCG?

Os oficiais eleitos de um GCG devem ser: Grande Guardiã (uma mulher), Grande Guardião Associado (um Mestre Maçom), Vice-Grande Guardiã (uma mulher), Vice-Grande Guardião Associado (um Mestre Maçom), Grande Guia (uma mulher), Grande Dirigente de Cerimônias (uma mulher), Grande Secretário(a) e Grande Tesoureiro(a).

E os oficiais nomeados?

Os oficiais nomeados podem ser quaisquer dos seguintes: Grande Capelã(o), Grande Bibliotecário(a), Grande Diretor(a) de Música, Grande Primeira Mensageira, Grande Segunda Mensageira, Grande Terceira Mensageira, Grande Quarta Mensageira, Grande Quinta Mensageira, Grande Primeiro(a) Zelador(a), Grande Segundo(a) Zelador(a), Grande Guarda Interno e Grande Guarda Externo, se não designados oficiais eletivos do GCG.

Como posso me tornar elegível para ser membro do GCG?

Ninguém deve ser elegível para eleição ou nomeação a cargos do GCG, a menos que seja um(a) delegado(a) votante do mesmo. Em jurisdições em que Maçons são proibidos de servir como Grandes Guardiões Associados ou Vice-Grandes Guardiões Associados, a Grande Guardiã, com o conselho e consentimento do GCG Executivo, pode autorizar a eleição e instalação de mulheres elegíveis para servir nestes cargos. Depois da primeira eleição dos oficiais do GCG, ninguém deve ser elegível para servir como um oficial eleito do GCG, exceto como Grande Secretário(a) ou Grande Tesoureiro(a), se não tiver servido ao menos uma (1) gestão como Guardiã de Bethel ou Guardião Associado de Bethel de um Bethel com Carta Constitutiva.
Guardiãs de Bethel e Guardiões Associados de Bethel que estejam completando sua primeira gestão integral no referido cargo, na época da eleição do GCG, devem ser elegíveis para servir como um oficial eletivo do GCG.
Nenhum membro deve ser elegível para o cargo de Grande Guardiã ou Grande Guardião Associado se não tiver servido, ou esteja terminando o serviço, como um oficial eletivo do mesmo GCG pelo período de uma (1) gestão. Nenhuma Grande Guardiã ou um Guardião Associado deve suceder a si mesmo(a) no cargo ou ser eleito(a) para o cargo de Grande Guardiã ou Grande Guardião Associado uma segunda vez no mesmo GCG.

Como faço para ser elegível a um comitê do GCG? Existem restrições?

Ninguém deve ser elegível para servir em um comitê permanente do GCG a menos que seja um delegado votante. Pessoas que tenham servido em um CGB devem ser elegíveis a servir em outros comitês. Um oficial eletivo do GCG não deve servir no Comitê de Apelações e Queixas e Jurisprudência.
Os cônjuges da Grande Guardiã ou do Grande Guardião Associado não devem servir nem no Comitê de Apelações e Queixas nem no Comitê de Jurisprudência e os cônjuges e/ou outros membros da família do Comitê de Jurisprudência não devem servir no Comitê de Apelações e Queixas.



Link para download da Constituição - Clique Aqui
Estas informações podem ser encontradas nas páginas: 57 a 59
Ficou alguma dúvida? Faltou alguma coisa que você acredita que precisávamos explicar?
Pergunta pra gente.

Estudo da Constituição - POP 13, 14 e 16 - SCG

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRÃO
DO SUPREMO CONSELHO GUARDIÃO
FILHAS DE JÓ INTERNACIONAL

POP 13,14 e 16


POP 13 - REUNIÕES 

Como devem ser apresentados os relatórios na reunião do Supremo Conselho?

O tempo permitido para a leitura do relatório de qualquer oficial não deve exceder cinco (5) minutos, com exceção do relatório da Suprema Guardiã, do Supremo Guardião Associado e do(a) Gerente Executivo(a), a quem será concedido um período de meia-hora cada um.
O relatório do Comitê de Jurisprudência sobre emendas propostas à Constituição e Estatuto deve ser a primeira ordem de trabalho depois dos relatórios da Suprema Guardiã, do Supremo Guardião Associado e do Comitê de Finanças.
Nenhum item que requeira ação ou moção, no conteúdo de relatórios, deve tornar-se efetivo a menos que seja colocado no final do relatório para fácil identificação e votado em separado pelos membros.

POP 14 - PUBLICAÇÕES

Qual o procedimento para publicações do Supremo Conselho?

Todas as publicações, que não os Procedimentos (Anais), emitidas em nome do SCG devem primeiramente ser aprovadas pela Suprema Guardiã, Supremo Guardião Associado e Comitê de Finanças.

POP 16 - REGRAS DE ORDEM E AUTORIDADE PARLAMENTAR

O que diz as regras da ordem, se tratando do SCG?

O quorum para a condução de trabalhos do SCG deve consistir de representantes de pelo menos dez GCGs. O quorum para a condução de trabalhos do GCG deve consistir de cinco membros votantes representando cinco Bethéis diferentes.

Um golpe de malhete chama à ordem ou senta a assembleia, dois golpes de malhete chamam os oficiais a levantarem-se, três golpes de malhete chamam toda a assembleia a levantar-se.

Membros que desejem dirigir-se oralmente ao SCG ou GCG devem levantar-se, dirigir-se ao oficial que estiver presidindo e, após receber autorização, falar seus nomes, nome do GCG/Bethel a que pertencem, e então declarar o propósito para o qual pediram a palavra.

A menos que uma permissão seja dada pela assembleia, nenhum membro deve falar mais de cinco minutos, nem deve um membro falar duas vezes sobre qualquer questão antes que outros que desejem expressar-se tenham tomado a palavra. Nenhum membro deve falar mais de duas vezes sobre a mesma questão, a não ser sob permissão.

As Regras de Ordem de Robert, Revisadas (última edição) devem governar este SCG e todas as suas organizações subordinadas quando aplicável e consistente com a Constituição, Estatuto e Procedimentos Operacionais Padrão das FJI.

A moção para adotar uma proposta de emenda à Constituição, Estatuto e/ou os Procedimentos Operacionais Padrão pode ser feita por qualquer membro votante presente. Estas regras de ordem podem sofrer emendas ou serem suspensas a qualquer momento pelo voto de dois terços dos presentes e votantes.

E no que diz respeito a autoridade parlamentar?

Regras e Regulamentos são definidos como:

(1) Livro de Ritual
(2) Definições de Políticas emitidas pelo Conselho de Curadores para governança da Instituição
(3) Constituições
(4) Estatutos
(5) Procedimentos Operacionais Padrão

Todas as Regras e Regulamentos requerem aprovação pelo Comitê de Jurisprudência apropriado e devem ser publicados (via eletrônica ou em papel) em um formato adequado para impressão e acesso pelas Filhas e adultos.

Como é apresentada uma Emenda Imediata?

Uma emenda imediata pode ser apresentada por um membro do SCG quando assinada por dez delegados representando dez GCGs e submetida ao Oficial que está presidindo para ser lida para os delegados votantes. Deve então ser encaminhada ao Comitê de Jurisprudência para recomendação aos delegados votantes e tomada de ação por parte deles. Uma emenda imediata requer unanimidade de voto dos presentes e votantes para aprovação.

Como é apresentada uma Emenda a Constituição e Estatuto?

Emendas a estas Constituições ou Estatutos ou Solicitações de Políticas devem ser aprovadas na Sessão Anual do SCG/GCG por dois terços (2/3) de votos a favor dos membros presentes e votantes. Emendas aos Procedimentos Operacionais Padrão devem ser aprovados na Sessão Anual do SCG/GCG pela maioria de votos a favor dos membros votantes e presentes. Somente emendas que afetam a revisão do Ritual serão decididas na Sessão Anual quando o Ritual estiver sendo considerado.
Nenhuma emenda proposta deve ser impressa ou enviada por correio pelo(a) Gerente Executivo(a) aos delegados votantes do SCG a menos que tenha sido submetida por um membro do SCG e assinada pelo proponente. Propostas de emendas apresentadas verbalmente para discussão na Sessão Anual do SCG devem ter os proponentes,
ou um representante presente, falando em nome dos proponentes, durante a discussão.
A Legislação adotada em uma Sessão Anual do SCG deve tornar-se efetiva imediatamente após a distribuição.
Variações às Regras e Regulamentos para GCGs e CGJs devem ser permitidas, desde que aprovadas pela Suprema Jurisprudência, de acordo com as autorizações previamente aprovadas pelo SCG.



Link para download da Constituição - Clique Aqui
Estas informações podem ser encontradas nas páginas: 48,49, 52 e 53
Ficou alguma dúvida? Faltou alguma coisa que você acredita que precisávamos explicar?
Pergunta pra gente.